Fones: (51) 99987.8734 - oxam@oxam.com.br
default-logo

O ozônio é utilizado mundialmente na veterinária, odontologia, medicina e meio ambiente

Estudos avançados da NASA comprovam a eficiência do ozônio até para colonização em Marte no tocante a agricultura como a única forma viável de garantir produção pois perceberam para produção de sementes quando colocadas em câmaras de ozônio, de acordo com a pressão são desenvolvidas variedades ultraresistentes a secas.

HISTÓRIA DA OZONIOTERAPIA

O gás ozônio foi descoberto em 1840 pelo pesquisador alemão Dr. Christian Friedrich Schoenbein, que observou um odor característico quando o oxigênio era submetido a uma descarga elétrica, e o chamou de “ozein”, que em grego significa “aquilo que cheira”.

Em 1857, o físico Dr. Werner Von Siemens, desenvolveu o Gerador de Alta Freqüência, aparelho que forma o gás ozônio através de descargas elétricas em átomos de oxigênio.

A ozonioterapia médica é utilizada desde o século XIX, para combater a ação de bactérias e germes na pele humana e tratamento de feridas.

Hans H. Wolff em 1979 publicou o livro “O Ozônio Medicinal”, onde apresenta sua pesquisa e prática médica do uso do ozônio. Ele fundou a Sociedade Médica Alemã de Ozônio.

OZONIOTERAPIA NO MUNDO

Atualmente a Ozonioterapia é reconhecida pelo Sistema de Saúde da Alemanha, da Suíça, Áustria, da Itália, de Cuba, da Ucrânia, da Rússia, da Grécia, Israel,do Egito e da Austrália, além de ser praticada em 13 estados dos Estados Unidos da América (Arkansas, Washington, Califórnia, Colorado, New México, Texas, Oklahoma, Geórgia, New York, North Carolina, Ohio, Minnesota e Nevada). Os seguros médicos reembolsam os procedimentos de Ozonioterapia na maioria desses países. Vale lembrar que a Ozonioterapia faz parte dos tratamentos pagos pelos seguros-saúde na Alemanha, desde a década de 1980, o que representa uma forma muito séria de reconhecimento do método.

Aproximadamente 15.000 médicos utilizam este método na Europa atualmente e somente na Alemanha são realizados sete milhões de tratamentos todos os anos. Na década de 1980, a Sociedade Médica Alemã de Ozonioterapia elaborou um estudo para avaliar a segurança da Ozonioterapia.

INDICAÇÕES E BENEFÍCIOS NA MEDICINA

  • Problemas circulatórios
  • Diversas doenças e condições do paciente idoso
  • Doenças causadas por vírus, tais como hepatites, Herpes simples e Herpes zoster
  • Feridas infectadas quaisquer, inflamadas, de difícil cicatrização, como úlceras nas pernas, de origem vascular, arterial ou venosas (varizes), úlceras por insuficiência arterial, úlcera diabética, risco de gangrena
  • Colites e outras inflamações intestinais crônicas
  • Queimaduras
  • Hérnia de disco, protrusão discal, dores lombares
  • Dores articulares decorrentes de doenças inflamatórias crônicas.

USO NA AGROPECUÁRIA

  • Na Agroindústria Alimentícia e no tratamento da água até E.T.E.s;
  • No tambo leiteiro no sistema de ordenha;
  • Nos laticínios no tratamento e esterilização da água, na limpeza com menos sanitizantes até as lagoas de tratamento, esgotos, etc.;
  • Na água de irrigação bem menos densa para adição de adjuvantes (adubos foliares, radiculares, etc.;
  • Na estabilização do soro de queijo  para transformar em adubos orgânicos;
  • No tratamento das caixas dágua, piscinas, banheiras e ofurôs;
  • Nas câmaras frias contra mofo e fungos no queijo, frutas e legumes;
  • Na esterilização do ar e da água de coliformes fecais, escherichia coli, etc.;
  • Na purificação do ar contra fungos, ácaros e bactérias;

TRATAMENTO DE PISCINAS

Aplicado na desinfecção da água, o ozônio faz o papel de agente microbiológico e oxidante, ou seja, é o único que combate todas as sujeiras existentes na água da piscina como: bronzeadores, óleos, hidratantes, maquiagem, filtros solares, fluidos do corpo, cabelos, suor, urina, fezes, secreções, vírus, bactérias, protozoários, algas e fungos.

Além disso, um dos principais diferenciais do ozônio é que ele elimina também as cloraminas (substâncias produzidas a partir da reação do cloro com as impurezas presentes na água), que são as verdadeiras vilãs das piscinas pois agravam problemas alérgicos e respiratórios, causam ardência nos olhos, ressecamento na pele e nos cabelos, descamação do esmalte das unhas, além de deixar cheiro desagradável na água e no corpo.